Três por Quatro

Sabe aquele dia que você acorda bem? Um dia, sei lá, que você acorda bem? Não é que você acorde com saúde, não é isso. É um dia que você acorda bonito, você acorda legal. Você acorda rindo. Você se olha no espelho, e sei lá, o dia tá maneiro. Nasceu com um sol forte, ou uma chuva rala – dependendo do seu maneiro – mas é um dia bom. Às vezes, a gente tem dias bons. Às vezes. Um dia legal… Então, sabe uma coisa que você pode fazer nesse dia, que ninguém presta atenção e é legal?

Porra, antes de viajar, de fugir de casa, de jogar na loteria, de comprar uma motocicleta, antes de qualquer coisa que você faria se acordasse e percebesse que aquele dia é bom. Sabe uma coisa que você pode fazer, que ninguém presta atenção e é legal?

Você pode dar uma passadinha numa loja de fotografia instantânea e tirar uma foto sua três por quatro.

Não é uma boa idéia? Sei lá, de repente tira até mais de uma foto, tira três fotos. Tira doze fotos! De repente doze. Você dá sorte, tá na promoção: doze fotos, paga seis. Você não sabe quando vai aparecer de novo um dia bom, diz aí?

Mas a idéia não é boa? Pô, você sempre precisa de uma foto três por quatro. Sempre. Toda hora. Aí…pã, cadê, não tem! E agora? Ai tem que tirar na hora, despreparado, irritado, num dia ruim. Porque se não era ruim, passou a ser! 

(está valendo a história)

– Porra, onde é que tiro essa foto então?

O cara da repartição começa a explicar aonde é, complicado pra cacete, e ela olha pra amiga que está do lado dela e que também não entende, há trinta e cinco minutos, por que que! pra ter carteira de motorista! tem que ter foto 3×4! O cara da repartição acaba de explicar, ela olha de volta pra ele e tenta pela última vez:

– Tem certeza que precisa de foto?

– Minha filha, você tá tirando a porra de uma carteira de motorista, tem que ter sua cara na carteira! Próxima pergunta idiota e você vai se dar mal aqui!!! E, olha!!! Vou fechar às sete essa porra, hein!!! E vai ficar sem!!!

-Eee, tá nervosinho….

E corre então pelas ruas do Rink pra tirar a foto. Vai ela e a amiga.

– Qual é a loja?

– É uma dessas de escadinha da morte.

– Qual delas?

– Qualquer uma, pô.

E elas sobem e chegam lá cima:

– Oi, oi?! Aqui, oi, bom dia, eu quero uma foto.

– Boa tarde. Pra agora ou pra pegar em 30 dias?

– Pra agora.

– Promoção Doze por Seis, Avulsa, Passaporte, Casamento, Book, Quinze Anos, ou Arte Erótica?

– Arte Erótica?

– Arte Erótica, 50 reais peitinho aparecendo, 100 reais corpo todo, se for botar sua amiga junto faço pacote, 500 pilas. Tem que assinar termo e só tem pra quinze dias.

– Não, eu quero…

– A gente pode dividir em preço em três parcelas, mas o termo tem que assinar.

– Eu quero uma três por quatro só.

– Promoção Doze por Seis?

– Quanto é essa promoção? Que loucura, isso.

– Paga seis, leva doze.

– Doze fotos?

– Doze.

– Tá, quero essa de doze.

– Tá. Espera um momentinho.

A mulher sai e elas comentam:

– Arte Erótica? Você já tinha visto isso?

– Tão diversificando, né.

A mulher volta e manda:

– Senta ali, meu bem.

E ela vai e senta numa cadeira, que com certeza, não passou por nenhum controle de ergometria.

– Levanta o queixo aqui. Assim.

BÁU!

– Pronto. Já tirou, minha filha…

– Já foi?

– Já.

A menina, entre estrelas e luzes coloridas, vê a moça da loja lhe ajudando a se levantar, um velho tirando alguma coisa de uma caixa e entrando numa janela no teto e um cachorro andando de costas. Isso tudo com luz piscando e farolete.

– Já foi?

A amiga:

– Já… Porradão de flash, né?

– Aquilo foi um flash?

– Acho que foi… Exagero isso.

– Bom, pelo menos foi rápido, né?

– Foi. Vamos ver agora, né.

– Será que eu saí bem? Deu nem tempo de ajeitar o cabelo.

– Toma aqui essa água com açúcar…

– Sera que eu sai bem?

– Acho que saiu. Deve ter saído.

A moça demora. Um casal sai de uma cabine vestido todo de couro. Ela vira a água com açúcar toda. O cachorro desce a escada e a mulher finalmente volta. Ela e a amiga olham a foto e: chora, neném! É um minuto de silêncio na loja.

Retornando ao nosso tema, depois do exemplo, é isso. É aquele olhinho caído, aquela boquinha aberta, um cabelinho amarrotado, aquela mescla de suor com fiapos de cabelo na testa, o queixinho pra frente, maldito! O queixinho pra frente mata a foto, a cara branca, o peito frouxo. E são doze fotos iguais.

E tá bom! Tá bom! É isso! Vai, vai, corre pro detran!

BLÉU

Colou na carteira de motorista. Pra vida toda.

Então, sério, quando você acordar num dia bom, vai tirar uma foto três por quatro. A gente sempre precisa pra algum documento. Num dia bom, você vai sair igual aqueles anúncios de carteirinha de estudante, sabe como é que é? Que eles estão dando sempre um sorriso legal, uma atitude legal, a foto fica com uma atitude legal, um espírito legal. Típico de quem acordou num dia bom e foi tirar uma foto três por quatro.

Ou de alguém que está fingindo muito bem.